RODRIGO

Blog Rasecenemys 1 WordPress.com

Presidente da FIJ cobra da ONU ações para combater violência contra jornalistas


Dia 23 de novembro, celebrou-se pela segunda vez o Dia Internacional Contra a Impunidade. Em alusão à data, a Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) encaminhou manifestação ao secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, cobrando ações para que os governos respeitem as leis internacionais e as normas relativas à segurança e proteção dos jornalistas.

Dados de organizações internacionais apontam que mais de 600 jornalistas foram mortos nos últimos 10 anos em todo o mundo – a maioria em seus próprios países de origem – e os assassinos continuam impunes em nove de cada dez casos.

Negociado há 2 anos, um Plano de Ação pela Segurança de Jornalistas apresentado em abril de 2012 foi endossado pelo Comitê Executivo da ONU, mas sua implementação está prevista em etapas e enfrenta resistências. Muitos países não tomam medidas efetivas para sua aplicação. Tal plano amplia o alcance da resolução 1738 do Conselho de Segurança da ONU (que condena os ataques contra os jornalistas em áreas de conflito), estendendo-a, também, à proteção de jornalistas em áreas livres de conflito. Entre outras ações, o plano estimula os países-membros da ONU a aprovarem leis de combate à impunidade.

Entre os dias 5 e 9 de setembro, o presidente da FENAJ e da Federação dos Jornalistas da América Latina e Caribe (Fepalc), Celso Schröder, participou de uma comitiva internacional, chefiada pelo presidente da FIJ, Jim Boumelha, em agenda oficial na ONU, em Nova York. A delegação entregou ao presidente da Assembleia Geral da ONU, Nassir Abdulaziz Al-Nasser, documento reivindicando medidas de proteção aos jornalistas.

Em mensagem encaminhada nesta sexta-feira ao secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, Jim Boumelha protestou pela crescente violência contra jornalistas. “Nós continuamos a ver que a impunidade floresce quando não há vontade política para garantir que estas mortes sejam investigadas, quando não existe um quadro legal e os juízes são fracos ou corruptos, quando poucos recursos são alocados para a segurança e quando a negligência, a incompetência e a corrupção oficial são abundantes”, disse.

No documento, Boumelha lembra que a ONU tem muitos instrumentos jurídicos internacionais, incluindo humanitárias internacionais e leis de direitos humanos universal, declarações e resoluções, alguns juridicamente vinculativos, para garantir que os Estados-Membros cumpram o seu dever de prevenir, investigar e punir crimes contra jornalistas. Criticou, no entanto, que ” na maioria dos casos eles não fazem diferença e os governos continuam a fechar os olhos para a sua obrigação de pôr fim à impunidade”.

O presidente da FIJ cobrou da ONU ações mais contundentes para garantir que os governos respeitem as leis internacionais e as normas relativas à segurança e proteção dos jornalistas.

Violência no México
Também nesta sexta-feira, em documento enviado a Felipe Amadeo Flores Espinoza, procurador geral de Justiça do estado de Veracruz, no México, o Escritório da FIJ para a América Latina, a Federação dos Jornalistas da América Latina e do Caribe (FEPALC) e mais 11 entidades, entre elas a FENAJ, cobraram investigações para apurar quem foram os autores materiais e intelectuais dos crimes cometidos contra jornalistas e puní-los. O México é o terceiro país mais perigoso para a prática do jornalismo em todo o mundo, depois da Síria e Somália. Até agora, este ano, 12 jornalistas morreram violentamente no país, seis dos quais no Estado de Veracruz.

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: